sábado, 27 de julho de 2013

...

- Escrevo porque tenho medo. Escrevo porque não sei guardar segredo.
- Que papo mais de mulherzinha! Achei que você escrevesse porque não tem uma arma. Porque tem vontade, mas não pode matar um homem. Então, nem vou perder tempo com teu livro.
- Mas nem se eu quisesse poderia ter uma arma. É ilegal...
- Eu sei, tudo é ilegal em nossa cidade.

E os dois assim seguiram. Imóveis naquela esquina deserta, consumindo doses acavalares de urros contidos. No céu, uma lua de boca triste clareava alguns restos de lixo e folhas secas.