sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

A Vida Agitada de Raymond Chandler


Mimado pela mãe solteira, soldado de guerra, alcoólatra, amante (e marido) de uma mulher mais velha, roteirista de cinema demitido por Hitchcock...

Transcrevi a cronologia de um dos meus escritores preferidos, Raymond Chandler, autor do clássico O Longo Adeus e de tantas outras histórias que mudaram o conceito de romance policial.


1888 - Nasce Raymond Thorton Chandler, a 23 de julho, em Chicago, filho da imigrante irlandesa Florence Dart Thorton Chandler e de Maurice Benjamin Chandler.

1889-1894 - Maurice bebe e se ausenta muito. Chandler passa os verões com a mãe e familiares em Plattsmouth, Nebraska. Seus pais acabam se divorciando. O pai desaparece, sem prestar auxílio à família.

1895-1899 - Muda-se para Inglaterra com a mãe, em 1895. Cultivam a religião anglicana, e Chandler estuda em uma escola local.

1900 - Chandler entra para o Dulwich College, em Dulwich, onde estuda matemática, música, latim, francês e história inglesa.

1901 - 1902 - Prepara-se para a carreira de negócios. Classifica-se entre os melhores da turma e destaca-se pela habilidade matemática.



1903-1904 - Lê Virgílio, Cícero, César, Lívio e Ovídio em latim, e Platão, Aristófanes e outros em grego.

1905-1906 - A família decide mandar Chandler para o exterior, para aprimorar seus estudos em línguas estrangeiras. Reside em Paris e Munique.

1907-1908 - Vai viver com a mãe em Streatham, subúrbio de Londres. Naturaliza-se súdito britânico. Faz um concurso público, classifica-se em terceiro lugar dentre seiscentos candidatos. Trabalha como funcionário na Marinha, mas pede demissão após seis meses.

1909-1910 - Trabalha por um curto período de tempo como jornalista no Daily Express e então no Westminster Gazette. Publica alguns poemas. Em 1911, começa a colaborar com ensaios literários para o periódico The Academy.

1912 - Pega emprestadas quinhentas libras esterlinas de um tio e volta aos Estados Unidos. Estabelece-se em Los Angeles. Trabalha em uma fazenda de cultivo de pêssegos e conserta raquetes de tênis. Mora em quartos alugados.

1913-1914 - Estuda biblioteconomia. Consegue um emprego de bibliotecário e contador em uma fábrica de laticínios, com a ajuda do amigo Warren Lloyd, um advogado.

1915-1916 - Volta a morar com a mãe, que também está de volta aos Estados Unidos.

1917 - Engaja-se no exército canadense. Toma um navio para a Inglaterra, após três meses de treinamento.

1918 - Designado para o 7º batalhão da 2ª Brigada de Infantaria da 1ª Divisão canadense, é mandado à França. Luta nas trincheiras, e mais tarde escreverá: "Uma vez que você tem de liderar um pelotão diretamente para os tiros de metralhadora, nada mais é como antes". Volta à Inglaterra como sargento, após sofrer uma concussão. É transferido para a Royal Air Force, mas a guerra termina durante seu treinamento.

1919 - Aceita um emprego em um banco inglês, na cidade de San Francisco. Volta a Los Angeles e trabalha por seis semanas no Daily Express. Envolve-se com Cissy Pascal (18 anos mais velha), pianista casada com o também pianista Julian Pascal, ambos os quais lhe haviam sido apresentados por Lloyd.

1920-1923 - Chandler ainda mora com a mãe, quando o divórcio dos Pascal é concluído. Ele protela os planos de casamento com Cissy devido à desaprovação da sua mãe por causa da diferença de idade entre os dois. Trabalha como bibliotecário para Dabney Oil Syndicate, companhia petroleira de propriedade de um irmão de Lloyd.

1924 - Florence Chandler morre de câncer em janeiro. Chandler e Cissy casam-se em fevereiro. Chandler torna-se auditor da companhia e é logo promovido a vice-presidente do escritório de Los Angeles.

1925-1931 - Chandler começa a perceber as reais implicações da sua diferença de idade com Cissy. Bebe muito, ameaça suicidar-se e tem casos amorosos com mulheres mais novas que trabalham na mesma companhia que ele.

1932 - É despedido por alcoolismo e absenteísmo. Passa um tempo em Seattle e volta a Los Angeles quando Cissy é hospitalizada com pneumonia. Trabalha como assistente de Edward Lloyd, filho do seu amigo Warren Lloyd, em um grande caso contra a South Basin Oil Company (ex-Dabney Oil Syndicate) por apropriação indevida de lucros provenientes de campos de extração de propriedade da família Lloyd. Passa receber uma pensão de US$ 100 de Edward Lloyd, o que lhe permite dedicar-se à escrita. Bebe menos.

1933 - Decide escrever para revistas de histórias de crime. Seu primeiro conto, Blackmailers don't shoot é publicado na Black mask, principal revista do gênero da época, que também publicava obras de Dashiell Hammett, Erle Stanley Gardner, entre outros.

1934-1937 - Publica histórias policiais em Black mask, Dime detective e Detective Fiction Weekly. Chandler e Cissy mudam-se com frequência.

1938 - Começa a redação de O sono eterno, seu primeiro romance. Cria o detetive Phillip Marlowe e incorpora material de histórias publicadas em revistas (usurá a mesma técnica de "canibalização" ao escrever, mais tarde, Adeus minha adorada e A dama do lago.

1939 - O sono eterno é publicado pela Alfred Knopf nos Estados Unidos e pela Hamish Hamilton na Inglaterra. Recebe boas críticas e vende bem. Começa a escrever A dama do lago e Adeus, minha adorada. Com o início da Segunda Guerra Mundial, voluntaria-se para treinamento no Exército Canadense, mas é rejeitado devido à idade. Continua a publicar histórias em revistas, mas em menor qualidade.

1940 - Termina e publica Adeus, minha adorada. As vendas decepcionam. Começa a trabalhar em Janela para a morte.

1941 - Vende os direitos de adaptação cinematográfica de Adeus, minha adorada.

1942 - Termina Janela para a morte, e o texto é adaptado para o cinema, no filme Time to kill.

1943 - É contratado para a Paramount para trabalhar no roteiro baseado em Double Indemnity, de James M. Cain. Mais tarde, dirá que a experiência foi agoniante. Volta a beber muito. A dama do lago é publicado.

1944 - O filme Double Indemnity faz um estrondoso sucesso. O roteiro é indicado ao Oscar. Trabalha como roteirista contratado da Paramount. Publica o ensaio A simples arte de matar no Atlantic Monthly.

1945 - Começa o roteiro original de The blue dahlia, que deve ser filmado antes do famoso ator Alan Ladd entrar no serviço militar. Chandler atrasa a entrega do roteiro, e as filmagens se iniciam quando este ainda não foi completado. Chandler propõe ao produtor do filme que trabalhe bêbado para terminar o roteiro. O produtor aceita, e Chandler conclui o roteiro em oito dias, ditando para secretários e recebendo injeções regulares de glicose (o filme sairá em 1946, Chandler será indicado ao Oscar pelo roteiro e receberá o prêmio Edgar da associação Mystery Writers of America). Começa a trabalhar para a MGM no roteiro de A dama do lago, mas abandona o projeto depois de desavenças com o estúdio.

1946 - Sai a versão para o cinema de O sono eterno. Chandler elogia a interpretação de Humphrey Bogart como Phillip Marlowe. Rompe com a Paramount. Ele e Cissy, enfraquecida, vivem em relativa reclusão. Cesso o abuso de álcool.

1948 - Começa a escrever A irmãzinha.

1949 - Sofre de várias doenças, incluindo bronquite, alergias de pele e herpes. A irmãzinha é lançado nos Estados Unidos por uma nova editora, Houghton Mifflin.

1950 - Trabalha com o diretor e roteirista Alfred Hitchcock na adaptação do romance Strangers on a train, de Patricia Highsmith, para a Warner Brothers (o filme receberia o nome, no Brasil, de Pacto sinistro), mas Hitchcock decepciona-se com seu trabalho e substitui Chandler. A simples arte de matar, coletânea de histórias antigas, é publicada.

1951 - Começa a trabalhar no texto do que será O longo adeus.

Chandler e Cissy
1952 - A saúde de Cissy piora.

1953 - Recomeça a beber. Cissy sofre de problemas respiratórios e cardíacos. O longo adeus é publicado.

1954 - Cissy morre, após uma série de hospitalizações.

1955 - Chandler bebe muito e sofre de depressão. Bêbado, tenta o suicídio com um revólver, em 22 de fevereiro. O tiro sai pelo teto do banheiro. Chandler é levado a hospitais psiquiátricos para observação. Vende a casa que comprara com Cissy e deixa a Califórnia, indo visitar amigos em vários lugares. Em Nova York, bebe muito e tem de ser hospitalizado. A bordo do navio no qual viaja para a Inglaterra, recebe a notícia que ganhou o prêmio Edgar da Mystery Writers of America por O longo adeus. Torna-se amigo do escritor Ian Flemming e da pianista Natasha Spender (mulher do poeta Stephen Spender). Retorna aos Estados Unidos, mas volta à Inglaterra ao descobrir que Natasha está doente. Viajam pela Espanha e Marrocos, e voltam a Londres. Natasha é submetida a uma operação bem-sucedida. Chandler bebe muito, é internado e descobre que tem malária.

1956 - Aluga um pequeno apartamento em Londre, sofre devido ao seu relacionamento com Natasha e acaba voltando aos Estados Unidos por causa dos impostos britânicos. Bebe muito e é hospitalizado em Nova York por má nutrição e fadiga. Continua a beber e por um breve momento considera a possibilidade de casar-se com uma admiradora que no ano interior lhe escrevera uma carta. Encontra-se com Natasha em dezembro.

1957 - Envolve-se na vida pessoal da sua secretária, uma australiana divorciada, e seus dois filhos. É internado em consequência do abuso do álcool.

1958 - Inicia a redação do romance Amor & morte em Poodle Springs, mas só termina alguns capítulos. Viaja à Inglaterra e então a Capri, na companhia de sua agente e amiga Helga Greene, para entrevistar o mafioso "Lucky" Luciano para o Sunday Times. O artigo, My friend Luco, não é publicado por razões legais. É hospitalizado em Londres. O romance Playback, escrito a partir de um roteiro iniciado, é publicado. Sua saúde continua a declinar.

"Homens mortos são mais pesados que corações partidos"
1959 - Hospitalizado por Helga Greene, propõe-lhe casamento. Ela aceita. Viaja a Nova York na companhia de Helga para tomar posse da presidência do Mystery Writers of America. Ele volta para LaJolla, na Califórnia, enquanto Greene segue para Londres, onde pretendem se estabelecer. Chandler bebe muito, desenvolve pneumonia, é hospitalizado em 23 de março. Morre no dia 26 e no dia 30 é enterrado no cemitário Mount Hope, em San Diego.


Fonte: Janela Pra Morte, Raymond Chandler. Editora LPM (Coleção LPM Pocket Noir), 2005.