sábado, 22 de agosto de 2015

O Fim de Semana Perdido ou Farrapo Humano


Era evidente que eu estava sozinho. Mas depois que cravei o ponto final, eu tive certeza. Senti que não havia nada, nenhum sentido naquilo. Escrever... No início, desconfiei que era egoísmo ou uma espécie de altruísmo torto, que serviria para algo ou alguém. Porém, agora, depois desse ponto, sei que não há qualquer justificativa plausível. A sensação é de presenciar um milagre ruim, que não salva, nem ilumina. Pensei um pouco em Deus, como é usual nessas horas, e imaginei que Ele só poderia achar engraçadas as pretensões humanas.